Por que todas devemos ser mais Samanthas?

Antes de qualquer coisa preciso te perguntar, tu já assistiu ao filme Sex and the City?
Talvez se a tua resposta para essa pergunta seja não, te indico parar de ler por aqui mesmo. Muito obrigada pela tua atenção mas acho chato quando a gente tem que ler todo o post para então perceber que não entende bulufas do que o autor ta dizendo, mas, por outro lado se tu está ainda aqui comigo vou te contar um pouquinho sim sobre a Samantha e como eu vejo essa personagem incrível que por mim merecia um filme solo ou ao menos com bem mais visibilidade.


Também relato a vocês que esse meu ponto de vista é influenciado somente pelos dois filmes que foram lançados como “extensão” da série, já que ainda não tive a oportunidade de fazer uma maratona com esse seriado e conferir se minha “heroína” é de fato assim em toda sua trajetória.
Bom, vamos ao post para você entender o porque da minha admiração por essa personagem.
Para mim o ideal seria de que as mulheres tivessem no mínimo 10% do que é Samantha Jones, já o que o jeito mais simples de descreve-la é como um espirito livre, uma mulher que de fato aprendeu a jogar o jogo dos homens e como sempre o aluno supera o mestre, ela o joga com uma maestria sem igual.
Sem possuir pudores ou filtros, ao dizer e agir conforme o que quer, ela está em constante busca do que a faz feliz e isso não importa se é relacionado a vida profissional, particular ou sexual, em outras palavras ela é literalmente a loba da p*rra toda.

Eu amei sim a personagem  desde do primeiro frame em que apareceu no filme, porém foi somente no momento que ela desiste de um relacionamento que a “apagava” que ganhou profundamente meu coração. Não me entenda mal, eu sou fã do amor e relacionamentos sério, porém tenho muito solene em mim que para algo dar certo os companheiros precisam andar lado a lado, sem ter fingimentos ou precisar estar escondendo seus reais desejos e identidade para assim satisfazer a felicidade do outro (vamos ser sinceros? Nenhum dos dois é feliz de verdade desse modo). No caso Samantha escondia seu instinto de fazer sexo com homens diferenciados e o “afogava” na comida, atitude essa que a fez engordar e ficar triste. Penso que talvez nesse momento você imagine que ela era uma p*ta, e dai te pergunto, se fosse um homem você pensaria o mesmo? Provavelmente não né?!
Mas é exatamente por esse motivo que digo que temos que todas sermos mais Samanthas, viver sem preconceitos, não deixar ser rotulada e assim, não esconder seus desejos para uma sociedade machista e doente que te julgaria por um grampo fora do lugar no cabelo.

Edit: Após escrever esse texto dei uma leve pesquisada e em 2016 surgiu rumores de que a personagem ganharia um espaço só seu, vamos rezar para que essas seja uma das próximas estreias da HBO.
Link da matéria: Clique aqui para ler

Gaúcha, colorada, completamente louca por maquiagem e muito apaixonada pela vida. Prazer sou Eskarlet, uma publicitária em formação.